Olympiakos falha acordo com Vukcevic

O acordo estabelecido entre o Olympiakos e o Sporting para o empréstimo de Vukcevic caiu por terra. O jogador esteve em Atenas, fez exames médicos e até falou sobre as novas expectativas. Porém, na hora de assinar o vínculo com o clube grego surgiram complicações que levaram ao abortar do negócio.
O jogador terá assim de procurar outro destino para o seu futuro, uma vez que não entra nos planos do técnico Paulo Sérgio, isto apesar de ter contrato com o Sporting válido até Junho de 2013.

Meireles apontado ao Real Madrid

Raúl Meireles pode entrar nos planos de José Mourinho para o meio-campo do Real Madrid, caso os merengues falhem na contratação dos principais alvos definidos para a época 2010/2011.
A notícia é avançada pelo diário desportivo espanhol Marca, numa altura em que os nomes de Steven Gerrard, Bastian Schweinsteiger ou Esteban Cambiasso se perfilam no topo das preferências do técnico português.
A mesma publicação avança que Real Madrid e FC Porto poderão chegar a acordo por 15 milhões de Euros pelo médio internacional português, de 27 anos, que tem mais dois anos de contrato com os dragões.

Carlos Queiroz lembra que «ninguém está acima da Selecção Nacional»

Após a eliminação de Portugal nos oitavos-de-final do Mundial 2010, Carlos Queiroz falou numa conferência de imprensa em Magaliesburgo, local onde a Selecção Portuguesa ficou hospedada durante a sua participação. O principal tema acabou por ser Cristiano Ronaldo.
Ontem, após o jogo com Espanha, o capitão das Quinas proferiu declarações que geraram um nova polémica no seio dos Navegadores. Carlos Queiroz atribuiu essas declarações a "frustações que ainda não estejam suficientemente educadas para serem bem contidas e dirigidas", mas avisa que não irá ignorar o que foi dito.
"Não vamos ignorar porque nós não estamos aqui para sermos amigos dos jogadores. Demorei 4 ou 5 anos de trabalho intenso para contribuir para que, por exemplo, o Cristiano tenha sido o melhor do Mundo, se precisar de levar toda a minha vida para fazer perceber e ensinar às pessoas que as frustações têm de ser contidas e dirigidas, vou fazê-lo porque essa é a minha obrigação. Também já tive as minhas expressões de frustação, mas aprendemos", afirmou o seleccionador nacional.
Carlos Queiroz aproveitou para lembrar que "Portugal precisa do Cristiano Ronaldo e o Cristiano Ronaldo precisa da Selecção. Nós não somos assim um país tão grande para ignorar todas as nossas capacidades". Contudo, sublinhou que "se o tamanho da camisola for pequeno demais para algum corpo não precisa de estar aqui".
"Eu trabalhei num clube que me ensinou isto e que eu aprendi com toda a humildade, duas lições grandes que eu vou transportar para a Selecção. Primeiro, nunca entrar em pânico. E não entramos em pânico porque confiamos nas pessoas, confiamos nos nosso líderes e nos que colaboram connosco. Segundo, ninguém está acima da Selecção Nacional, nunca vai estar enquanto eu estiver aqui. Os jogadores e treinadores profissionais escolhem os clubes, mas aqui a nação escolhe-nos e só está cá quem quer", declarou o seleccionador português.

Valência oficializa saída de David Silva para o City

O Valência confirmou no seu site oficial a venda de David Silva ao Manchester City. O jogador está, actualmente, a disputar o Mundial 2010 na África do Sul e a sua transferência só será concluída quando este realizar os habituais exames médicos, logo após o fim da participação de Espanha na competição.
O valor da transferência de David Silva não foi divulgado, mas a imprensa espanhola já havia falado em 30 milhões de euros, quantia que foi novamente apontada pela comunicação social do país.

As Manchetes

Adeus prematuro

A campeã europeia Espanha qualificou-se para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo de 2010, onde defrontará o Paraguai, após derrotar Portugal por 1-0. Os lusos viriam a acabar a partida com dez elementos, por expulsão de Ricardo Costa já perto do apito final.
Espanha e Portugal apresentaram-se na Cidade do Cabo como as segunda e terceira classificadas do ranking da FIFA e proporcionaram um encontro à altura das expectativas criadas em redor de ambos os conjuntos.

A Espanha teve uma entrada mais forte no encontro e, logo nos primeiros seis minutos, dispôs de boas ocasiões para marcar. Na primeira jogada do encontro, Fernando Torres flectiu da esquerda para o meio e rematou cruzado para grande defesa de Eduardo. Dois minutos volvidos, Torres repetiu o gesto e voltou a obrigar Eduardo a defesa apertada. Aos seis minutos, foi a vez de David Villa testar os reflexos de Eduardo.
Portugal reagiu ao ímpeto inicial espanhol e, aos 20 minutos, criou a sua melhor ocasião em toda a partida. Fábio Coentrão teve uma grande arrancada pela esquerda, com a bola a acabar por chegar a Tiago, que rematou para excelente defesa de Iker Casillas. Na recarga, Hugo Almeida tentou cabecear para o fundo da baliza, mas o capitão espanhol opôs-se novamente, sacudindo com os punhos. Com esse lance, Portugal ganhou confiança e Cristiano Ronaldo teve, aos 28 minutos, o seu lance mais perigoso. Cobrou um livre directo para uma defesa apertada de Casillas, que deixou a bola escapar para a frente, todavia sem que nenhum português conseguisse aproveitar.

A primeira parte terminou com Portugal em alta e, depois de um lance no qual Simão surgiu isolado perante Casillas, Coentrão teve um bom cruzamento para a zona da marca de penalty, onde surgiu Tiago de rompante a cabecear ao lado. O segundo tempo trouxe uma Espanha mais acutilante, determinada em chegar ao golo o quanto antes, enquanto Portugal recuou no terreno com a entrada de Danny para o lugar de Hugo Almeida, que antes teve uma óptima iniciativa pela esquerda, passando em velocidade por Gerard Piqué e cruzando para Cristiano Ronaldo, com Carles Puyol quase a fazer autogolo, ao desviar com a coxa.
A Espanha acusou o toque e, antes de chegar ao golo, dispôs de duas ocasiões na qual esteve bastante perto de marcar. Aos 59 minutos, Sergio Ramos cruzou para a área, onde Fernando Llorente, que rendera Fernando Torres, surgiu sozinho a cabecear para uma defesa de Eduardo à queima-roupa. Dois minutos volvidos, Villa voltou a flectir da esquerda para a zona frontal, de onde rematou fazendo a bola passar perto do poste.

Por fim, eis que, aos 63 minutos, chegou o golo que a Espanha viria a justificar por inteiro até final. Andrés Iniesta encontrou Xavi e tocou de calcanhar para Villa, que, entretanto, se escapara a Ricardo Costa, movimento após o qual rematou para uma primeira defesa de Eduardo, que nada pôde fazer para evitar a recarga do agora avançado do Barcelona, que assim se tornou no melhor marcador do Mundial.
Insatisfeita com o golo marcado, a Espanha continuou a carregar e só não marcou em mais duas ocasiões porque Eduardo brilhou a grande altura nas redes portuguesas. Aos 69 minutos, Sergio Ramos fintou Coentrão na direita e rematou cruzado para nova excelente defesa do número um do Sp. Braga. Aos 76 minutos, Villa quis bisar, de fora da área, mas Eduardo foi buscar a bola ao ângulo superior. Já nos instantes finais, Llorente também tentou chegar ao golo, mas o cabeceamento saiu torto.

Paraguai vence nos penalties

O Paraguai levou a melhor sobre o Japão no desempate por penalties, depois de 120 minutos sem golos, e segue para os quartos-de-final.
As oportunidades de golo escassearam durante todo o encontro, e nenhuma das equipas conseguiu desfazer o nulo, pelo que a decisão sobrou para as grandes penalidades. Aí, Yuichi Komano falhou para o Japão e a selecção sul-americana levou a melhor, com o benfiquista Óscar Cardozo a apontar o tento decisivo.
O Japão começou mais rematador, visando a baliza do Paraguai por duas ocasiões nos primeiros três minutos. Contudo, depressa a partida começou a centrar-se, sobretudo, na luta a meio-campo. O Paraguai dispunha de maior tempo de posse de bola, mas os lances de perigo junto das duas áreas eram nulos.
Apenas aos 20 minutos a formação sul-americana conseguiu ameaçar a baliza contrária, quando Lucas Barrios tabelou com um colega, fugiu bem a dois adversários e viu o guarda-redes nipónico, Eiji Kawashima, negar-lhe o golo. O Japão respondeu de imediato, através de um fortíssimo remate de Daisuke Matsui, à trave da baliza contrária, deixando antever um jogo mais animado a partir daí. Mas apenas aos 40 minutos se assistiu a novo lance merecedor de destaque, com Keisuke Honda, à entrada da área, a errar o alvo por muito pouco.
O segundo tempo não foi muito diferente, com o Paraguai a exercer maior domínio, mas sem que se verificassem reais situações de golo junto de qualquer uma das balizas, destacando-se apenas um cabeceamento de Riveros para defesa de Kawashima, na sequência de um pontapé de canto. No derradeiro quarto-de-hora, o Japão arriscou e avançou mais no terreno, contudo o nulo persistiu e o encontro seguiu mesmo para o prolongamento.
No tempo extra, foi o Paraguai a primeira equipa e ficar perto do golo, por intermédio de Nelson Valdez, que já dentro da grande área adversária viu o guardião nipónico negar-lhe o golo. O Japão também ameaçou, num livre directo batido por Honda, que colocou à prova a atenção de Justo Villar na baliza paraguaia, mas a partida acabou por ser decidida no desempate por pontapés da marca de grande penalidade, onde o Paraguai foi mais forte, com Óscar Cardozo a bater o penalty decisivo.

Benfica confirma à CMVM transferência de Di María para o Real Madrid

O Benfica confirmou, esta tarde, a transferência de Àngel Di María para o Real Madrid, em comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliarios (CMVM).

Comunicado:
"A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD, em cumprimento do disposto no artigo 248.º do Códigodos Valores Mobiliários, vem informar que chegou a acordo com o Real Madrid C.F. para a alienação a título definitivo dos direitos económicos e desportivos do atleta Angel Di Maria pelo montante de 25.000.000 de euros, estando igualmente previstos 5.000.000 de euros indexados à utilização do jogador e 6.000.000 de euros relativos a prémios de performance desportiva".

Jardel ruma ao Cherno More

O Cherno More Varna finalizou a contratação-surpresa do antigo ponta-de-lança internacional brasileiro Mário Jardel, por uma temporada.
A carreira de Jardel, de 36 anos, inclui passagens por FC Porto, Galatasaray e Sporting. Regressa à Europa depois de uma breve passagem pelo seu país-natal e mostrou-se confiante que pode reencontrar rapidamente, na Liga búlgara, a forma que o notabilizou. "Não jogo ao mais alto nível há 14 meses", disse Jardel. "Sou muito ambicioso e alcancei sucesso em todas as equipas por onde passei. O meu objectivo ao serviço do Cherno More é marcar muitos golos e conquistar o campeonato búlgaro."

Tudo o que eu quero:

É que sejam bravos e corajosos. A sorte, essa, protege os audazes.
Eu ACREDITO!

As Manchetes


OFICIAL: Real Madrid confirma transferência de Di María

O Benfica e o Real Madrid já chegaram a acordo para a transferência de Ángel Di María, num negócio que foi formalizado esta tarde, por fax, e já confirmado pelos merengues no seu site oficial.
"O Real Madrid e o S.L. Benfica chegaram a um acordo para a transferência de Ángel Di María. O jogador estará vinculado ao Real Madrid nas próximas seis temporadas", lê-se numa nota publicada na página oficial do emblema dos blancos.
Ainda não há qualquer confirmação oficial por parte da SAD "encarnada" sobre a transferência de Di María, mas o argentino será o primeiro reforço para o português José Mourinho desde que assumiu o comando técnico dos madrilenos.
Os merengues vão desembolsar 25 milhões de Euros pelo passe do extremo internacional argentino. Esse montante será faseado e pago durante cinco anos.

Brasil vence e encontra Holanda

O Brasil qualificou-se para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo, ao derrotar o Chile por 3-0. A equipa brasileira irá defrontar, a 2 de Julho, em Port Elizabeth, nos quartos-de-final, a Holanda, após os comandados de Bert van Marwijk terem vencido a Eslováquia.
O jogo do Ellis Park, em Joanesburgo, começou com o Chile a dominar os primeiros instantes, com Humberto Suazo particularmente activo, mas o primeiro remate de verdadeiro perigo pertenceu ao brasileiro Gilberto Silva, que disparou de longa distância para uma excelente defesa de Claudio Bravo para canto.

O Chile também tentou a sua sorte de longa distância, com Suazo a rematar de longe, para a defesa fácil de Júlio César. No lado oposto, o benfiquista Ramires fez o mesmo para os brasileiros, com Bravo a defender sem problemas.
Os problemas de penetração de ambas as equipas ditaram que, por exemplo, o primeiro golo do Brasil surgisse na sequência de um lance de bola parada. Aos 34 minutos, Maicon cobrou um canto do lado direito, que Juan desviou de cabeça, liberto de marcação adversária, para o fundo das redes de Bravo.
O Chile tentou a reacção de imediato, mas foi o Brasil quem, três minutos depois, voltaria a marcar. Excelente contra-ataque iniciado por Robinho no lado esquerdo, de onde solicitou Kaká no meio e este, com um toque de primeira, deixou Luis Fabiano na cara de Bravo. O dianteiro do Sevilha teve ainda a calma para contornar o guarda-redes chileno e rematar a contar.

Para a segunda parte, o seleccionador do Chile, o argentino Marcelo Bielsa, tentou mudar o rumo dos acontecimentos, fazendo entrar Jorge Valdivia e o ex-sportinguista Rodrigo Tello, mas viria a ser o Brasil a sentenciar o encontro aos 59 minutos, através de um golo de Robinho. Ramires interceptou um passe na linha de meio-campo e galgou 30 metros até descobrir o dianteiro do Santos completamente desmarcado em zona frontal, de onde rematou em arco, fazendo a bola entrar junto ao canto esquerdo da baliza.
O Chile ainda tentou por três vezes chegar ao golo, primeiro através de um forte remate de Valdivia à entrada da área ligeiramente por cima da trave e, depois, após um fantástico trabalho, Suazo rematou para a defesa de Júlio César. O mesmo Suazo enviaria a bola à parte superior da trave. Kaká e Robinho também tentaram chegar ao golo pelo Brasil, mas o marcador não voltaria a funcionar até final.

«Laranja» segue para os quartos-de-final

A Holanda garantiu a passagem aos quartos-de-final do Campeonato do Mundo, ao bater a selecção da Eslováquia por 2-1. Arjen Robben e Wasley Sneijder foram as grandes figuras do encontro e marcaram os dois golos da selecção laranja, que viu a Eslováquia reduzir nos instantes finais na conversão de uma grande penalidade.
Os primeiros minutos do encontro disputado em Durban foram equilibrados, com ambas as equipas a tentarem a sorte com remates de longa distância. A primeira jogada de verdadeiro perigo surgiu aos sete minutos, quando Van Persie aproveitou um cruzamento da esquerda para cabecear com muito perigo, no coração da área, levando a bola a passar a rasar o poste da baliza da Eslováquia.

O primeiro golo do encontro aconteceu aos 17 minutos, quando os holandeses recuperaram a bola à saída da sua área e fizeram um passe a todo o comprimento do campo, fazendo a bola chegar a Arjen Robben que, com muita classe, preparou o remate e disparou à entrada da área, fazendo a bola entrar rasteira, junto ao poste, não dando hipóteses de defesa ao guarda-redes Jan Mucha.
Em vantagem no marcador, a Holanda recuou no terreno e os eslovacos nunca encontraram forma de criar perigo. O jogo baixou de qualidade e a única situação digna de registo até ao intervalo surgiu aos 40 minutos, quando Van Persie tentou a sorte de longa distância, mas Mucha respondeu com uma defesa segura.
A Holanda aumentou o ritmo no início do segundo tempo e esteve perto de aumentar a vantagem. Arjen Robben recuperou a bola no flanco direito, aos 54 minutos, e rematou cruzado, ficando a poucos centímetros de bisar no encontro. No minuto seguinte, Robben entrou na área pelo lado oposto e assistiu Mathijsen, que rematou à queima-roupa para uma defesa sensacional de Mucha.

O guarda-redes da Eslováquia teve muito trabalho na segunda parte e, aos 59 minutos, foi Van Persie quem testou os reflexos de Mucha na cobrança de um livre. O homólogo holandês também fez questão de mostrar qualidades e aos 67 minutos. Stekelenburg fez duas intervenções decisivas para conservar a vantagem tangencial. Primeiro foi Stoch que rematou à entrada da área, obrigando a voo espectacular para ceder o canto. Na sequência da jogada, uma boa movimentação colectiva dos eslovacos levou a bola a chegar a Vittek, que nem queria acreditar quando o guarda-redes voltou a evitar o golo.
Nos últimos minutos, a Eslováquia criou uma boa oportunidade para fazer o empate, mas Vittek perdeu demasiado tempo na área e rematou por alto. A Holanda foi mais eficaz e confirmou o triunfo aos 84 minutos. Depois da marcação rápida de um livre no meio-campo, Dirk Kuyt controlou a bola com a cabeça e tirou o guarda-redes Mucha da jogada, tendo depois a frieza de assistir Sneidjer, que não teve dificuldades para fazer o 2-0.
O resultado final ficou estabelecido no final do período de compensação. Vittek foi derrubado por Stekelenburg e o árbitro não teve dúvidas em assinalar grande penalidade a favor da Eslováquia. Vittek aproveitou para marcar o seu quarto golo no Mundial, mas não evitou a derrota da sua equipa por 2-1.

Oficial: Moreira renova pelo Benfica

Moreira renovou hoje, de forma oficial, o contrato que o liga ao Benfica, por mais três épocas, entrando para os trabalhos dos campeões nacionais de futebol com motivação redobrada.
"Voltaram a unir-se duas partes que tinham o mesmo interesse. O Benfica confia em mim e eu confio no Benfica. Agora, resta-me trabalhar para conseguir os mesmos objectivos", afirmou o guarda-redes à Benfica TV.

Vukcevic a caminho da Grécia

Simon Vukcevic chega esta tarde à Grécia. Existe acordo com o Olympiakos, um dos clubes que mostrou interesse na contratação do montenegrino, que não faz parte dos planos de Paulo Sérgio, novo treinador do Sporting.
O extremo viaja, esta segunda-feira, com o seu empresário, Zoran Stojadinovic, de modo a formalizar o processo de transferência para os vice-campeões gregos.

As Manchetes


Tévez bisa no triunfo «alviceleste»

A Argentina venceu o México, com um bis de Tévez, e tem encontro marcado com a Alemanha.
Apesar de um início muito táctico, a Argentina precisou de apenas 25 minutos para marcar, por Tévez, com Gonzalo Higuaín a fazer o segundo, sete minutos depois. Na segunda parte, Carlos Tévez bisou na partida, enquanto Luis Hernández apontou o tento de honra mexicano, a 20 minutos do fim.
O primeiro sinal de perigo aconteceu à passagem dos oito minutos. O defesa Carlos Salcido, sem que ninguém o esperasse, disparou a cerca de 30 metros da baliza, com o esférico a embater na barra. No minuto seguinte, Andrés Guardado também esteve a centímetros do golo, num remate à entrada da área.

No entanto, foi a Argentina quem inaugurou o marcador. Messi arrancou em velocidade e desmarcou Tévez, mas no lance dividido o guardião Óscar Pérez chegou primeiro, só que não segurou a bola, que sobrou para Lionel Messi servir novamente Tévez, que encostou de cabeça para a baliza.
De erro em erro, a Argentina construiu a vantagem. Aos 32 minutos, um mau passe de Ricardo Osorio, no centro da defesa, permitiu a Higuaín mostrar o seu instinto matador. Primeiro, ao estar alerta para recuperar a bola; depois, a contornar Pérez com um toque de classe antes de marcar.
Depois desses oito minutos fatídicos, o México teve dificuldades em reencontrar-se, em especial no ataque. O melhor que se viu foi um remate de longe de Rafael Márquez, aos 43 minutos, mas à figura de Sergio Romero.

Na segunda parte, a toada manteve-se, com o domínio argentino, e não demorou muito até marcar novo golo. Aos 51 minutos, Tévez recebeu a bola, passou por dois adversários e desferiu um remate portentoso, sem hipóteses para Pérez.
Aos 69 minutos, Salcido, um dos mais inconformados da sua equipa, cruzou para o segundo poste, onde Pablo Barrera rematou em esforço, mas a bola foi afastada por Demichelis em cima da linha-de-golo. No entanto, um minuto depois, Javier Hernández fez o tento de honra do México, passando bem pelo defesa-central e fuzilando Romero. Daí até final, registo para uma boa jogada individual de Messi, finalizada com um remate que levava o selo de golo mas que Pérez desviou para canto.

Klose iguala Pelé

Aos 31 anos, Miroslav Klose entra nos top 5 dos melhores marcadores em fase finais de Campeonatos do Mundo, igualando o brasileiro Pelé, considerado um dos melhores jogadores de todos os tempos.
Contudo, o atleta do Bayern Munique pode ainda sonhar em subir mais posições e, talvez, atingir a liderança dos melhores marcadores de Mundias. O avançado alemão continua em prova com a sua selecção e está a 3 tentos de igualar Ronaldo, o fenómeno, que continua a liderar a lista com 15 remates certeiros.

Alemães abatem ingleses

A Alemanha bateu a Inglaterra por expressivos 4-1, seguindo para os quartos-de-final, num jogo em que Thomas Müller apontou dois golos.
Miroslav Klose inaugurou o marcador aos 20 minutos e Lukas Podolski elevou para 2-0 aos 32. Matthew Upson ainda reduziu para os ingleses, perto do intervalo mas, no segundo tempo, dois golos de Thomas Müller no espaço de três minutos, a culminar dois rápidos contra-ataques, selaram o triunfo germânico.

A Alemanha entrou melhor no encontro e criou a primeira grande oportunidade de golo aos quatro minutos, por Özil. A Inglaterra mostrava muitas dificuldades em chegar perto da área contrária, e a selecção alemã acabou mesmo por chegar ao golo. Manuel Neuer bateu um pontapé de baliza, os defesas ingleses não interceptaram a bola e esta chegou a Klose, que a desviou do alcance do David James e fez o 1-0.
A selecção inglesa respondeu e conseguiu, por fim, chegar junto da baliza adversária, mas a Alemanha continuava a ser a equipa mais perigosa e, depois de Klose desperdiçar uma boa ocasião, Podolski, assistido por Müller e completamente solto de marcação, bateu James pela segunda vez. A perder por 2-0, a Inglaterra subiu no terreno e deixou um primeiro aviso por Frank Lampard, que viu Neuer negar-lhe o golo. Golo que, contudo, haveria de surgir pouco depois, aos 37 minutos, por intermédio de Upson, de cabeça.
Motivada, a Inglaterra partiu em busca do empate, que poderia mesmo ter surgido à beira do intervalo, num extraordinário remate de longe de Lampard, com a bola a embater na trave e a tocar no solo antes de sobrar para as mãos de Neuer. Os jogadores ingleses ainda festejaram, mas o árbitro mandou seguir e as duas selecções a recolheram aos balneários com a Alemanha a vencer por 2-1.

A Inglaterra continuou à procura do empate no arranque do segundo tempo, e Lampard voltou a acertar na trave aos 52 minutos, na transformação de um livre directo. A Alemanha apostava, agora, sobretudo, no contra-ataque e, numa dessas rápidas iniciativas ofensivas, conduzida por Schweinsteiger, aos 67 minutos, a bola acabou por chegar a Müller que, isolado, fuzilou James e fez o 3-1.
Bastaram mais três minutos para outro rapidíssimo contra-ataque dos germânicos desferir o golpe fatal nas aspirações inglesas. Desta feita foi Özil a conduzir o lance e a ganhar em velocidade a Gareth Barry antes de servir Müller, que só teve de encostar para o fundo das redes, bisando na partida. A Inglaterra ainda viu Neuer negar o golo a Steven Gerrard com uma espectacular defesa, mas já nada podia impedir a Alemanha de rumar aos quartos-de-final.

As Manchetes


Adrien Silva ruma a Israel

Adrien Silva vai representar o Maccabi Haifa na próxima temporada. O médio do Sporting ainda não conseguiu conquistar o seu espaço, desde que se estreou na equipa sénior dos leões e ruma ao clube isrealita, por uma ano, para continuar a sua evolução.
Em nota informativa, colocada no site dos leões, foi anunciada a cedência, sem opção de compra, acrescentando que Adrien seguirá para Israel já amanhã. O negócio terá sido facilitado pelo empresário do jogador, Pini Zahavi, cujo nacionalidade é, precisamente, israelita.
Aos 21 anos, o jovem médio irá ter a sua primeira experiência no estrangeiro, onde terá a oportunidade de disputar a Liga dos Campeões com a camisola do Maccabi Haiba.

Gana elimina EUA e prolonga sonho africano

O Gana carimbou o passaporte para os quartos-de-final do Campeonato do Mundo, ao bater nos oitavos-de-final a selecção dos Estados Unidos da América, por 2-1. O tento da vitória da equipa africana foi apontado já no prolongamento, por intermédio de Asamoah Gyan.
A selecção africana entrou da melhor forma no jogo, já que chegou à vantagem logo aos cinco minutos. O meio-campo norte-americano perdeu a bola quando tentava organizar o ataque e Kevin Prince-Boateng aproveitou da melhor forma para abrir o activo. O centrocampista do Portsmouth progrediu pela zona central e disparou forte, ainda fora da área, longe do alcance do guarda-redes Tim Howard.
Os comandados de Bob Bradley tentaram naturalmente dar a volta aos acontecimentos mas sentiam muitas dificuldades perante uma equipa do Gana bem organizada no meio-campo. Aos 18 minutos foram mesmo os africanos a criar perigo, na conversão de um pontapé livre. Asamoah Gyan tentou a sorte de longe e Howard foi forçado a uma defesa apertada.
Aos 22 minutos, a selecção dos Estados Unidos conseguiu finalmente provocar alguns apuros perto da baliza contrária, após desmarcação de Michael Bradley. O médio norte-americano, descaído sob o lado esquerdo, visou a baliza ganesa mas Richard Kingson evitou males maiores para as suas redes.

Aos 34 minutos, os norte-americanos deixaram novo aviso, na sequência de um ataque rápido. Robbie Findley desmarcou-se pelo lado direito e disparou de pronto para nova defesa de Kingson. Dois minutos volvidos, o Gana respondeu e Kwadwo Asamoah esteve perto de marcar, num contra-ataque muito rápido. Valeu aos americanos Howard, que negou o segundo tento à equipa africana.
No segundo tempo o conjunto americano entrou com ambições renovadas e, aos 47 minutos, esteve perto do empate, após incursão do recém-entrado Benny Feilhaber. Ainda assim, Kingson opôs-se da melhor forma ao remate do norte-americano. Aos 60 minutos, os Estados Unidos beneficiaram de uma grande penalidade, após falta de Jonathan Mensah sobre Dempsey. Chamado a converter o castigo máximo, Donovan não desperdiçou, dando sequência à boa resposta da sua equipa no segundo tempo.
A 15 minutos dos 90, Bradley, em boa posição, permitiu a defesa do guardião contrário, com o tempo regulamentar a terminar com a igualdade no marcador. No prolongamento, o Gana entrou com o pé direito, já que Gyan fez o 2-1 logo aos 92 minutos, após um lançamento longo. O avançado africano ganhou no duelo com Bocanegra e fuzilou as redes à guarda de Howard.
A equipa americana tentou chegar de novo à igualdade mas o golo sofrido acabou por abalar os comandados de Bob Bradley, com os homens de Milovan Rajevac a preservar a vantagem até final.

Suárez coloca Uruguai nos quartos-de-final

Com dois golos de Luís Suárez, o Uruguai bateu a Coreia do Sul por 2-1 e segue para os quartos-de-final.
A selecção uruguaia, que ainda não tinha sofrido qualquer golo neste Mundial, ganhou vantagem logo aos oito minutos, mas viu Lee Chung-Yong restabelecer a igualdade a meio do segundo tempo. A dez minutos do apito final, contudo, Suárez bisou na partida e selou o apuramento dos sul-americanos.

A Coreia entrou melhor no encontro e foi a primeira equipa a criar perigo, logo aos cinco minutos, na sequência de um livre a castigar falta de Maxi Pereira sobre Park Ji-sung, já perto da entrada da área. Na cobrança, Park Chu-young bateu a bola em arco, sobre a barreira, mas esta acabou por embater no poste. Os sul-americanos reagiram e viram Diego Forlán, em boa posição, rematar à figura de Jung Sung-ryong.
E acabou mesmo por ser o Uruguai a inaugurar o marcador, aos oito minutos. Forlán trabalhou bem na esquerda e cruzou rasteiro para o segundo poste, onde apareceu Luis Suárez a encostar para o fundo das redes, depois de o guarda-redes coreano, Jung Sung-ryong, ter falhado a tentativa de interceptar a bola. A Coreia apenas conseguiu responder com algum perigo à passagem da meia-hora, com mais um bom remate de Chu-young. Suárez, de cabeça, esteve perto do 2-0 pouco depois, e Cha Du-ri, de longe, ameaçou a baliza uruguaia, mas o intervalo chegou mesmo sem mais alterações no resultado.

O segundo tempo começou com a selecção coreana a controlar por completo a posse de bola, mas sem conseguir criar reais situações de golo, excepção feita a um bom remate de cabeça de Park Ji-sung, aos 58 minutos. Os asiáticos, contudo, haveriam de ver o seu maior domínio recompensado aos 68 minutos, com a obtenção do golo do empate. Na sequência de um livre batido para a área do Uruguai, Lee Chung-Yong, solto de marcação, de cabeça, bateu Muslera pela primeira vez neste Campeonato do Mundo.
Com a igualdade restabelecida no marcador, o Uruguai voltou a subir no terreno e, depois de deixar um primeiro aviso, com um remate cruzado para excelente defesa de Jung Sung-ryong, Suárez bisou mesmo na partida, numa excelente iniciativa individual, culminada com um espectacular remate em arco, que ainda tocou no poste antes de entrar para o fundo da baliza coreana. A Coreia ainda dispôs de uma excelente oportunidade para levar a decisão do encontro para o prolongamento mas, isolado, Lee Dong-Gook não conseguiu bater Muslera, com o Uruguai a segurar a passagem aos quartos-de-final.

Análise: Reforços 2010/2011

Josef de Souza Dias

Nacionalidade: Brasil

Idade: 21 anos

Altura: 1.86 cm

Peso: 77 kg

Posição: Médio-defensivo

Pé preferido: Direito

Clube em 2010/2011: FC Porto



Do velhinho São Januário para o Estádio do Dragão chega-nos, Josef de Souza.
Falámos de um médio que joga à frente da defesa como pivot (embora possa partir logo, de inicio, desde posições mais avançadas) mas, depois de o equilíbrio garantido, consegue ter grande influência na distribuição do jogo da equipa.
Joga simples, corta, avança, passa e por vezes também tenta o remate. É móvel, agressivo qb na procuca da bola, resistente e, sobretudo, inteligente.
Tem os genes do futebol moderno, falta saber se tudo isto é suficiente para destronar Fernando da posição seis.

As Manchetes